Mês: Janeiro 2018

Norberto Garcia avisa contra precipitação em lei de repatriamento de fundos

 O jurista angolano Norberto Garcia avisou hoje que uma lei sobre o repatriamento de capitais tem que ser bem ponderada porque pode acabar numa “caça às bruxas”. Garcia é também porta-voz do MPLA mas frisou que falava em seu nome pessoal e não do partido.
O jurista advertiu contra “sensacionalismos” que podem levar à aprovação de uma lei com consequências nefastas.
“Agora está-se a ficar com a ideia de que tem que se andar atrás das pessoas numa espécie de caça ás bruxas”, disse Norberto Garcia que defendeu um diálogo com as pessoas que tenham fundos no estrangeiro.
“Entre conversar com as pessoas, dialogar e negociar com elas e encontrar a melhor forma de resolver este assunto é melhor do que estar a fazer uma lei que pode ser uma lei mal feita porque facto um diagnóstico leva sempre um tempo e requer rigor”, afirmou fazendo notar que não se deve assumir que todo o dinheiro saiu de Angola ilegalmente.
O jurista interrogou: “Estamos a tratar de todos que têm dinheiro lá fora ou estamos a tratar de quem eventualmente poderá ter desviado bens públicos? Estamos a falar de alguém que eventualmente terá que identificar a forma como isso aconteceu ou não? Fopi numa situação em que o país estava a viver uma situação e guerra em que era necessário adoptar estratégias para defender o país no âmbito da soberana nacional ou não?”

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Ango Notícias
29/01/2018

Kwanza já depreciou mais de 25% desde o início do ano

Com o novo regime, que contempla uma banda livre de variação com limites fixados pelo BNA, o kwanza já depreciou 26,5% desde o início deste ano. No entanto, o valor da moeda nacional caiu menos no câmbio informal de rua, onde, ao contrário do que se passa no mercado oficial, perde mais valor face ao dólar que ao euro, a sua nova âncora.
Desde que foi introduzido o novo regime de cambial compreendendo uma banda para a flutuação da moeda nacional, o kwanza desvalorizou, segundo os cálculos efectuados por O PAÍS, 26,5% face ao euro, a nova divisa de referência em substituição do dólar.
Em Dezembro de 2017, a taxa de câmbio média apurada no mercado primário, onde só intervém a banca comercial e o Banco Nacional de Angola (BNA), na venda de EUR 617,3 milhões foi de Kz 186,303 por cada unidade da moeda europeia. No último leilão realizado pelo BNA, a 23 de Janeiro, foi apurada uma taxa média ponderada de venda de Kz 253,706 por euro.
Face à moeda norte-americana o kwanza depreciou, no período, 19,4%. Ao longo de todo o ano de 2017 a moeda nacional apenas desvalorizou, no mercado primário, onde a banca comercial adquire divisas ao banco central, apenas 0,01%, de acordo com contas efectuadas por OPAÍS.
O ano começou com o euro a valer Kz 186,283 e terminou, como se referiu, com cada unidade da moeda europeia a valer Kz 186,303, uma depreciação totalmente marginal. A taxa de câmbio apurada no mercado primário influencia a cotação da moeda aos balcões da banca comercial e está na base da nova taxa de câmbio de referência fixada pelo BNA.
Logo no primeiro leilão realizado este ano, dia 9 de Janeiro, ao abrigo do novo regime, que estabelece a flutuação do kwanza dentro de um intervalo cujos limites são fixados pelo banco central, cada unidade do euro passou a custar Kz 221,26 (e cada dólar Kz 185,5), o que traduziu uma depreciação face à moeda europeia da ordem de 15,8%. Na semana seguinte o kwanza caía mais cerca de 11% face ao euro, passando a cotar a Kz 248,77. Para o dólar perdia menos (cerca de 8,9%), passando cada dólar a valer Kz 203,61.
No leilão da última semana mais um recuo no valor do kwanza, embora de muito menor amplitude (1,94% face à moeda europeia), passando cada euro a valer, tendo como referência o mercado primário, Kz 253,706 e cada dólar Kz 207 e já reflectindo o novos limite de 2% fixado pelo BNA para a variação da moeda da taxa de câmbio de referência, a qual corresponde à média ponderada do preço proposto pelo banco central e pela banca comercial para a compra e venda de moeda estrangeira, sendo publicada no portal do BNA .
Kwanza desvaloriza menos nas kinguilas
O interessante é que esta perda de valor da moeda nacional não teve um impacto proporcional no mercado paralelo de rua, as chamadas kinguilas, onde a erosão verificada foi menor que no mercado oficial e também onde, sintomaticamente, o euro, ao contrário do mercado oficial, depreciou mais que o dólar (a divisa mais generalizada neste mercado).
Assim, no mercado informal, desde o início do ano a nota de dólar aumentou cerca de 20% e a de euro 15%. A última semana encerrou, no que respeita ao câmbio informal, com cada euro a valer Kz 570 e cada dólar a ser trocado por Kz 470.
Recorde-se, entretanto, que em declarações exclusivas a OPAÍS concedidas há uma semana o governador do BNA, José de Lima Massano, não se mostrou sobremaneira preocupado com a taxa de câmbio praticada na rua já que uma boa parte do mercado informal não opera ‘na rua’, configurando operações de maior volume envolvendo outras entidades e implicando taxas de câmbio do kwanza mais favoráveis dos que as praticadas nas kinguilas. Na banca comercial o euro está a valer kz 259 e o dólar Kz 211.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Ango Notícias
29/01/2018

29.01.2018 – Cotações do dia ( BNA, Banca Comercial, Mercado Informal – Kinguilas – e Private Deals )

1 – BNA
Taxas oficiais do Banco Nacional de Angola
USD 203,64 (Compra 203,42 Venda 203,86) – Variação (+) 0,31%
EUR 253,39 (Compra 253,07 Venda 253,71) – Variação (+/-) 0%

2 – BANCA COMERCIAL
Taxas dos Bancos Comerciais em Angola
2.1 – Divisas
USD 205,90 (Compra 203,86 Venda 207,94) – Variação (+) 0,31%
EUR 256,25 (Compra 253,71 Venda 258,78) – Variação (+/-) 0%
2.2 – Venda de Notas
USD 207,94 Variação (+) 0,31%
EUR 258,78Variação (+/-) 0%

3 – KINGUILAS – Compra e Venda de Notas
Taxa média aplicada pelo Mercado de Rua em Angola
USD 470,00 – Variação (+/-) 0%
EUR 570,00 – Variação (+/-) 0%

4 – PRIVATE DEALS – Compra e Venda de Divisas Bancárias
Taxas médias aplicadas através de negociação entre particulares
USD 500,00 – Variação (+/-) 0%
EUR 550,00 – Variação (+/-) 0%

26.01.2018 – Cotações do dia ( BNA, Banca Comercial, Mercado Informal – Kinguilas – e Private Deals )

1 – BNA
Taxas oficiais do Banco Nacional de Angola
USD 203,01 (Compra 202,78 Venda 203,23) – Variação (-) 0,73%
EUR 253,39 (Compra 253,07 Venda 253,71) – Variação (+/-) 0%

2 – BANCA COMERCIAL
Taxas dos Bancos Comerciais em Angola
2.1 – Divisas
USD 205,26 (Compra 203,23 Venda 207,29) – Variação (-) 0,74%
EUR 256,25 (Compra 253,71 Venda 258,78) – Variação (+/-) 0%
2.2 – Venda de Notas
USD 207,29 Variação (-) 0,75%
EUR 258,78Variação (+/-) 0%

3 – KINGUILAS – Compra e Venda de Notas
Taxa média aplicada pelo Mercado de Rua em Angola
USD 470,00 – Variação (+/-) 0%
EUR 570,00 – Variação (+/-) 0%

4 – PRIVATE DEALS – Compra e Venda de Divisas Bancárias
Taxas médias aplicadas através de negociação entre particulares
USD 500,00 – Variação (+/-) 0%
EUR 550,00 – Variação (+/-) 0%

BNA no encalço de operações cambiais para o exterior de Pessoas Politicamente Expostas

A partir do próximo dia 1 de Fevereiro, o controlo do sistema financeiro angolano sobre as operações cambiais para o exterior vai apertar, com a introdução de um novo instrutivo do Banco Nacional Angola (BNA), particularmente orientado para rastrear os movimentos das chamadas Pessoas Politicamente Expostas (PEP).
No sentido de promover a “utilização eficiente da moeda estrangeira disponível”, bem como de garantir o cumprimento da Lei de Combate ao Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo, o BNA aprovou o instrutivo 2/18, que estabelece os “procedimentos a observar na execução de operações cambiais”.
Segundo o documento, que entra em vigor no próximo dia 1 de Fevereiro, os bancos comerciais que operam no país, devem adoptar “mecanismos rigorosos” para prevenir a ocorrência de “irregularidades de natureza cambial” e “assegurar o registo correcto das operações e o arquivo da informação relacionada”.
O banco central orienta as instituições a terem “em especial atenção” a identificação dos beneficiários efectivos e dos órgãos sociais dos clientes para se poder identificar o envolvimento nessas entidades de “um ou mais membros dos órgãos de administração, fiscalização, colaboradores ou accionistas do banco comercial”, sobre conflito de interesses, mas também relativamente a Pessoas Politicamente Expostas (PEP).
O novo instrutivo determina igualmente que “na compra de divisas nos leilões organizados pelo BNA, os bancos comerciais devem dar prioridade à aquisição de mercadorias ou serviços cuja oferta interna não atende à procura, conforme critérios indicados pelo BNA por altura da realização dos leilões”.
O documento sublinha ainda que os bancos “devem assegurar” que todos os seus colaboradores, incluindo a administração, “estejam cientes das acções disciplinares ou outras que possam resultar de comportamentos não éticos ou não profissionais e de transgressões inaceitáveis das suas políticas, bem como da legislação e regulamentação em vigor aplicável ao Mercado Cambial.
No sentido de promover a “utilização eficiente da moeda estrangeira disponível”, bem como de garantir o cumprimento da Lei de Combate ao Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo, o BNA aprovou o instrutivo 2/18, que estabelece os “procedimentos a observar na execução de operações cambiais”.
Segundo o documento, que entra em vigor no próximo dia 1 de Fevereiro, os bancos comerciais que operam no país, devem adoptar “mecanismos rigorosos” para prevenir a ocorrência de “irregularidades de natureza cambial” e “assegurar o registo correcto das operações e o arquivo da informação relacionada”.
O banco central orienta as instituições a terem “em especial atenção” a identificação dos beneficiários efectivos e dos órgãos sociais dos clientes para se poder identificar o envolvimento nessas entidades de “um ou mais membros dos órgãos de administração, fiscalização, colaboradores ou accionistas do banco comercial”, sobre conflito de interesses, mas também relativamente a Pessoas Politicamente Expostas (PEP).
O novo instrutivo determina igualmente que “na compra de divisas nos leilões organizados pelo BNA, os bancos comerciais devem dar prioridade à aquisição de mercadorias ou serviços cuja oferta interna não atende à procura, conforme critérios indicados pelo BNA por altura da realização dos leilões”.
O documento sublinha ainda que os bancos “devem assegurar” que todos os seus colaboradores, incluindo a administração, “estejam cientes das acções disciplinares ou outras que possam resultar de comportamentos não éticos ou não profissionais e de transgressões inaceitáveis das suas políticas, bem como da legislação e regulamentação em vigor aplicável ao Mercado Cambial.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Ango Notícias
25/01/2018

25.01.2018 – Cotações do dia ( BNA, Banca Comercial, Mercado Informal – Kinguilas – e Private Deals )

1 – BNA
Taxas oficiais do Banco Nacional de Angola
USD 204,51 (Compra 204,26 Venda 204,75) – Variação (-) 1,10%
EUR 253,39 (Compra 253,07 Venda 253,71) – Variação (+/-) 0%

2 – BANCA COMERCIAL
Taxas dos Bancos Comerciais em Angola
2.1 – Divisas
USD 206,80 (Compra 204,75 Venda 208,85) – Variação (-) 1,09%
EUR 256,25 (Compra 253,71 Venda 258,78) – Variação (+/-) 0%
2.2 – Venda de Notas
USD 208,85 Variação (-) 1,09%
EUR 258,78Variação (+/-) 0%

3 – KINGUILAS – Compra e Venda de Notas
Taxa média aplicada pelo Mercado de Rua em Angola
USD 470,00 – Variação (+) 2,17%
EUR 570,00 – Variação (+) 3,64%

4 – PRIVATE DEALS – Compra e Venda de Divisas Bancárias
Taxas médias aplicadas através de negociação entre particulares
USD 500,00 – Variação (+/-) 0%
EUR 550,00 – Variação (+/-) 0%