Reservas do Banco Nacional de Angola aumentam 5% em Janeiro

As reservas internacionais líquidas (RIL) aumentaram cerca de 5% em Janeiro de 2019, cifrando-se em 11,137 mil milhões USD, apurou o Jornal Vanguarda, nos dados estatísticos publicados, recentemente, pelo Banco Nacional de Angola (BNA).

Em Dezembro de 2018, as RIL estavam cotadas em 10,632 mil milhões USD que já reflectia uma quebra de cerca de 10,7%, relativamente a Novembro daquele ano, de acordo com os cálculos do Vanguarda, à base da informação estatística do banco central. Em Novembro de 2018, as RIL estavam fixadas em 11,902 mil milhões USD.

O montante das RIL no mês de Novembro demonstrava a recuperação das reservas do banco central, porque em Outubro estava quantificada no valor de 11,673 mil milhões USD, que reflectia uma quebra de aproximadamente 2,3%, relativamente a Setembro de 2018, como observou o Vanguarda, com base nos dados disponibilizados pelo BNA.

O aumento das reservas no banco central em Janeiro, explica Américo de Oliveira, economista, é reflexo da subida dos preços do petróleo no mercado internacional, principalmente do brent, a referência de Angola, negociado na Bolsa de Londres. “As RIL de Angola estão dependentes das oscilações dos preços do petróleo no mercado mundial. O País precisa de encontrar outras commodities para compensar os desequilíbrios internacionais cujos efeitos são sentidos internamente”, defende o economista que encara a diversificação da economia a solução da actual situação.

O BNA poderá ver aumentada as RIL entre os meses de Março e Abril do presente ano, tendo em conta a ligeira subida dos preços das commodities energéticas no circuito internacional, sobretudo o brent que está a ser cotado acima dos 63 USD por barril.

Apesar do montante das RIL (Janeiro de 2019) ser inferior ao de Novembro de 2018, a crítica mostra-se optimista, relativamente à estratégia do banco central no que tange à matéria em causa, pois a diminuição das reservas reflectem o aumento das importações actuais e venda de divisas, criando estabilidade no mercado cambial.

As constantes reduções e acréscimo ligeiro das RIL reflectem, esclarece Luís Paulo, economista, reflectem a protecção da economia por parte do BNA que assim também procura garantir a estabilidade do sistema financeiro, principalmente o bancário, tendo em conta o momento, marcado por uma crise económica e financeira.

O economista acredita na preservação das RIL, apesar de “haver uma tendência de sob valorização do preço do petróleo no mercado internacional. Temos a certeza de que em de 2019, o barril do brent será transaccionado acima dos 60 USD”. “Os indicadores macroeconómicos são favoráveis a uma recuperação da economia que será impulsionado pela indústria petrolífera e certamente será acompanhado pelo sector não petrolífero, resultante das políticas implementadas para diversificação económica”, afirmou, mostrando-se apologista das políticas implementadas pelo BNA.

Apesar da ‘corrosão’ progressiva nos últimos anos, as RIL ilustram a capacidade da economia angolana lidar com situações que podem deixar o mercado financeiro instável, defende Emmanuel Duarte, economista, afirmando que “as reservas internacionais líquidas também podem ajudar a controlar a flutuação do valor da dívida pública, inclusive na emissão de moeda”. O também economista considera suficiente o valor das RIL para garantir os cinco meses de importação, “apesar de haver defensores da manutenção de elevadas reservas em bancos centrais, como forma de garantir a estabilidade financeira em fase de crise”. Ainda explicou que o banco central pode manter o valor do Kwanza, através da venda das RIL, estratégia conhecida por manipulação do mercado cambial. “Apesar da escassez de divisas que se verifica na economia; hoje há maior oferta de cambiais, comparativamente aos dois últimos anos.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
AngoNotícias/Jornal Vanguarda
12/03/2019

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.