Preços de venda de apartamentos e escritórios em Luanda caem 30% desde o início da crise

Os dados mostram que quem compra ou arrenda apartamentos e escritórios está a optar por Talatona, a nova zona nobre da capital do País, onde há mais espaços privados e imóveis mais novos. Desde 2014, os preços em Talatona subiram quase 50%, contrastando com a queda no centro de Luanda.

Os preços em dólares de apartamentos e escritórios, no centro de Luanda, caíram quase 30% desde o início da crise, em 2014, de acordo com cálculos do Expansão sobre os dados do relatório sobre o mercado imobiliário angolano, publicado pela consultora Abacus, estudo que analisou três zonas de referência, nomeadamente Luanda (centro), Talatona e Zona Norte.

Contas feitas pelo Expansão indicam que o preço médio de um apartamento T4 de 300 metros quadrados no centro de Luanda custava, em 2014, 2,6 milhões USD, enquanto o mesmo imóvel no ano passado valia em média 1,8 milhões USD, um recuo de 28,6%

Os preços médios por metro quadrado caíram na mesma percentagem. Em 2014, o metro quadrado rondava entre os 7,5 mil e os 10 mil USD, o que dava um preço médio por metro quadrado de 8 750 USD. Já em 2017, o preço por metro quadrado variou entre 5 mil a 7,5 mil USD, enquanto no ano passado, os preços do metro quadrado dos apartamentos novos variaram entre os 6 mil USD a 6, 5 mil USD. Em ambos os casos estamos a falar de um preço médio de 6 250 USD por metro quadrado.

Na zona norte, que inclui, Viana, Camama e Benfica, a marcha dos preços também abrandou, recuando 26%, entre 2014 e 2018. Contas feitas novamente, nesta zona um apartamento T4 com 300 metros quadrados custava, no início da crise, 750 mil USD, contra os 555 mil USD praticados em 2018.

Em sentido inverso, os preços de venda valorizaram em Talatona onde os apartamentos com a tipologia já referenciada, há quatro anos, eram vendidos a pouco mais de 1,1 milhões USD e em 2018 atingiram os 1,6 milhões, um aumento de 49,4%.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Expansão
15/03/2019

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.