FBI vai ajudar a recuperar dinheiro roubado de Angola

Os Estados Unidos estão dispostos a colocar o Departamento de Justiça, o FBI e outras instituições a colaborar com o Governo angolano na localização e recuperação do dinheiro e outros activos retirados ilegal e criminalmente do país. A garantia foi dada ontem, em Luanda, pelo secretário de Estado adjunto dos EUA, John Sullivan.

Num encontro com jornalistas, John Sullivan disse que é desejo dos Estados Unidos trazer os corruptos à justiça e recuperar os activos retirados criminosamente de Angola e estejam escondidos nos Estados Unidos ou em outra parte do mundo.

“Temos pessoal treinado, investigadores e promotores que podem ajudar o Governo angolano na recuperação destes activos e devolvê-los aos reais donos, o povo angolano”, disse o diplomata que manifestou “satisfação e entusiasmo” dos Estados Unidos com o compromisso do Presidente João Lourenço no combate à corrupção.

“A luta do Presidente João Lourenço contra a corrupção é importante para restabelecer a confiança dos investidores na economia nacional e na facilitação dos negócios”, afirmou John Sullivan, citando, como exemplo, a colaboração com as autoridades nigerianas, na recuperação de activos desviados ilegalmente para os Estados Unidos e outros países.

Desde sábado em Luanda, John Sullivan teve, ainda ontem, encontros com representantes da sociedade civil, dos direitos humanos e líderes de grupos empresariais. Hoje é recebido pelo Presidente da República, João Lourenço, a quem vai entregar uma mensagem do homólogo, Donald Trump.

John Sullivan afirmou que o facto de, nesta primeira visita a África, escolher apenas dois países mostra bem a importância que os Estados Unidos dão à cooperação com Angola e a África do Sul. Traduz também, na sua opinião, o papel destes países no continente.

Apesar de o foco da visita residir no diálogo com as autoridades angolanas e líderes empresariais angolanos e norte-americanos, o subsecretário de Estado americano vai debater uma série de questões, entre os quais a segurança global.

Tal como fez na África do Sul, John Sullivan pretende discutir com líderes empresariais e especialistas dos dois países questões económicas prioritárias para os dois países, incluindo a melhoria do clima de negócios para criar condições para um maior envolvimento comercial dos EUA.

Proveniente de Joanesburgo, o número dois do Departamento de Estado dos EUA reúne, ainda hoje, com o ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, com quem preside a uma sessão do Diálogo Estratégico Estados Unidos-Angola, na qual vai apresentar a estratégia da Administração Trump para África.

Logo depois, o secretário de Estado adjunto dos EUAvai assinar, com o ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, um Memorando de Entendimento no domínio da Segurança e Ordem Pública.

John Sullivan participa, igualmente, numa conferência sobre comércio e investimento, no Hotel Epic Sana,na qual vai ressaltar a importância de expandir os laços económicos e comerciais.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Jornal de Angola
18/03/2019

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.