Consultora antecipa mais um ano de recessão em Angola

É a segunda previsão pessimista no espaço de poucos dias. De acordo com a Capital Economics, a economia angolana deverá continuar em recessão este ano e o banco central deverá descer ainda mais a taxa de juro, em 0,5 pontos, no segundo semestre

A consultora Capital Economics considerou esta terça-feira que a economia de Angola deverá continuar em recessão este ano e que o banco central deverá descer ainda mais a taxa de juro, em 0,5 pontos, no segundo semestre.

“Os últimos desenvolvimentos sustentam a nossa opinião contrário ao consenso, segundo a qual a economia de Angola vai outra vez contrair-se este ano; juntamente com a queda da inflação, a descida das taxas de juro pelo banco central vai continuar”, escrevem os analistas.

Na nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, os analistas da Capital Economics antecipam uma queda de 1% no Produto Interno Bruto (PIB) de Angola, motivada pela descida na produção de petróleo.

“Os baixos números de petroleiros que estão previstos sair dos portos angolanos no próximo mês sugerem que os próprios produtores esperam que a produção caia novamente em junho, para cerca de 1,2 milhões de barris diários”, lê-se na nota, com o título ‘Angola: Outro Ano de Recessão’.

Se a produção estabilizar nos 1,2 milhões de barris por dia, que é o valor implícito nos dados dos carregamentos, “então o setor pode cortar 7 ou 8 pontos percentuais ao PIB de Angola, mas mesmo que a produção recupere para 1,38 milhões de barris, o nível recorde registado em abril, estimamos que o setor petrolífero ainda tire uns 4 pontos ao crescimento do PIB este ano”.

Para os analistas da Capital Economics, “é improvável que o setor não petrolífero compense esta quebra, já que com a produção a 1,38 milhões de barris diários, o crescimento do setor não petrolífero teria de ser de 5% para compensar a quebra, o que não acontece desde 2014”.

Estes desenvolvimentos, conclui a consultora, “sustentam a nossa opinião de que os decisores políticos vão continuar a suavizar a política monetária, com mais um corte de 50 pontos na segunda metade do ano, que se segue à descida de 25 pontos da semana passada”, para 15,25%.

Na sexta-feira passada, o Comité de Política Monetária do Banco Nacional de Angola decidiu reduzir em 0,25 pontos percentuais a taxa de juro indicativa, fixando-a nos 15,5%, a primeira descida desde janeiro, quando baixou a taxa de referência de 16,5% para 15,75%.

Esta é a segunda entidade numa semana a antecipar uma recessão no país africano.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Expresso
28/05/2019

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.