Aposta do futuro petrolífero de Angola começa hoje em Luanda no “Oil & Gas 2019”

O futuro do setor petrolífero em Angola começa hoje a ser discutido em Luanda na conferência “Oil & Gas”, oportunidade em que o Governo angolano pretende fazer negócios e vai pré-anunciar o Concurso de Licitação de Blocos Petrolíferos.

A conferência, que traz a Angola cerca de 500 gestores e especialistas mundiais do setor, será oficialmente aberta pelo Presidente angolano, João Lourenço, prevendo-se que, durante os três dias de trabalhos, que terminam quinta-feira, sejam assinados os contratos de adjudicação e empreitada para a construção da Refinaria de Cabinda e da Unidade de Produção de Gasolina na de Luanda.

O evento é organizado pela Africa Oil & Power (AOP), tendo como parceiros a Câmara de Energia Africana, a Corporação da Aliança para o Desenvolvimento dos Investimentos Africanos e a Associação Internacional de Empreiteiros Geofísicos, o Business France, o Ministério dos Recursos Minerais e Petróleo, a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPGB) e a petrolífera Sonangol, entre outras entidades.

Segundo a organização, o “Angola Oil & Gas 2019” reúne no Centro de Convenções de Talatona, a sul da Luanda, decisores mundiais do petróleo e gás, e pretende assinalar o início de uma nova era do setor em Angola, sobretudo depois da criação da ANPGB, que pôs termo ao monopólio da Sonangol no país.

Entre os participantes estão membros de governos dos países produtores de petróleo, altos responsáveis de instituições internacionais, executivos de topo das principais petrolíferas e distribuidoras mundiais.

No evento participam várias das maiores companhias energéticas do mundo como a Total, Chevron, ExxonMobil, BP, ENI e Equinor, que farão deslocar a Luanda os seus executivos de topo.

“A conferência será a maior convenção de investimentos na indústria de petróleo e gás do continente africano em 2019 e irá abranger todo o espetro da indústria de energia com apresentações, debates, exposições, encontros, “networking” e promoção de investimentos”, indica a organização.

Entre os diversos temas em análise destacam-se a nova dinâmica que o executivo de Angola está a introduzir no setor do petróleo e gás, as novas regras de concursos de licitação de blocos petrolíferos, o papel da nova ANPGB, a reestruturação do modelo de “upstream”, o processo de regeneração da Sonangol, o papel das mulheres na indústria energética, as novas formas de financiamento ajustadas à realidade cambial de Angola e o mercado do gás natural e as oportunidades de investimento e participação de empreendedores angolanos.

O “Angola Oil & Gás 2019” será aproveitado pelo Governo angolano para anunciar o vencedor do contrato para a a construção da unidade de produção de gasolina da refinaria de Luanda, assim como da assinatura do acordo de parceria para a construção da refinaria de Cabinda.

No primeiro dia dos trabalhos, além da intervenção de abertura de João Lourenço, o presidente do Conselho de Administração da ANPGB, Paulino Jerónimo, vai anunciar os resultados preliminares da primeira ronda de licitações de novos blocos petrolíferos.

A conferência pretende debater as tendências mundiais do “oil & gás” e funcionar como plataforma para a atração de investimento para Angola, numa altura em que o país mudou o quadro regulatório do setor e se prepara para criar novas zonas de exploração de hidrocarbonetos, com o lançamento, até 2025, de 56 concessões petrolíferas.

Entre os oradores confirmados, estão os ministros dos Petróleos e Minas da Guiné Equatorial, Gabriel Mbaga Obiang Lima; Sudão do Sul, Ezekiel L Gatkuoth, e do Níger, Foumakoye Gado, bem como outros responsáveis políticos internacionais.

O evento conta também com intervenções de representantes da banca nacional e internacional, além das de câmaras de comércio, agências de energia e diplomatas, entre outros.

Segundo a organização, o evento conta com a credenciação de mais de uma centena de jornalistas de órgãos de comunicação social mundiais.

Publicação da autoria de Fonte Externa:

Lusa

04/06/2019

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.