Africa Growth Corporation esclarece processo que envolve governo de Angola

(…)ARTIGO DE RESPOSTA E DE RECTIFICAÇÃO:

Africa Growth Corporation rejeita últimas mentiras em nome do Governo Angolano

Imagine uma empresa pública dos EUA concordando em investir milhões de dólares americanos no desenvolvimento de imóveis residenciais em Angola para beneficiar famílias angolanas de baixa e média renda e reduzir a enorme demanda de habitações a preços acessíveis, uma necessidade crescente ignorada pelo Governo Angolano. Imagine que a mesma empresa procura reduzir a taxa elevada de desemprego em Angola, contratando primeiro centenas e, em seguida, milhares de trabalhadores angolanos para ajudar na construção, comercialização e venda destas casas a preços acessíveis aos cidadãos angolanos. Imagine as novas oportunidades de negócios criadas e o súbito interesse entre outros investidores norte-americanos e internacionais em Angola, à medida que estes desenvolvimentos habitacionais acessíveis tomam vida.

Agora imagine altos funcionários angolanos que vendo essas propriedades decidem enriquecer ainda mais às custas de Angolanos comuns. Imagine-os trabalhando secretamente e conspirando entre si e com as agências governamentais angolanas para falsificar documentos que lhes permitam primeiro assumir o controle das subsidiárias angolanas da empresa norte-americana e, em seguida, assumir o controlo das suas contas bancárias.

Imagine esses funcionários do governo angolano organizando com o então governador provincial de Luanda, General Higino Carneiro (actualmente em investigação por atividade criminosa), para transferir oficialmente a escritura das propriedades da empresa dos EUA, com valor nas dezenas de milhões de dólares norte-americanos, a uma atual Procuradora do Ministério Público Angolano por $0.

Imagine as agências governamentais angolanas que são obrigadas pela Lei angolana a denunciar estas actividades, a recusarem fazê-lo. E então, com todas essas atividades clandestinas e ilegais concluídas, imagine um grupo desses funcionários do governo angolano aparecendo repentinamente nas propriedades da empresa norte-americana transportando metralhadoras AK-47 e ameaçando a segurança desses funcionários e residentes que se recusem a aceitar ordens e a fazer pagamentos a este regime de ocupação ilegal.

Você não está mais imaginando. Isto é exatamente o que aconteceu com a África Growth Corporation (AFGC).


Imediatamente após ter as suas propriedades, suas empresas, suas contas bancárias apreendidas e controladas pelas forças governamentais angolanas que não tinham o direito legal de fazê-lo, a AFGC procurou a ajuda da PGR, o órgão governamental angolano responsável pela aplicação da Lei angolana, tendo sido ignorado em cada tentativa. A AFGC, em seguida, foi para os tribunais angolanos duas vezes e em ambas as ocasiões foi premiada com um julgamento a seu favor, que descobriu que as propriedades da AFGC tinham sido apreendidas ilegalmente e “por meios violentos.” O Tribunal angolano ordenou duas vezes que os invasores ilegais do governo angolano evacuassem as propriedades imediatamente. Alegando imunidade como oficiais do exército angolano, os invasores do governo angolano recusaram-se a devolver as propriedades ordenadas por um juiz angolano.


Incapaz de encontrar justiça dentro de Angola, e continuamente perseguida por agentes do governo angolano, a empresa norte-americana foi forçada a intentar uma ação judicial nos tribunais dos EUA, primeiro em Washington, D.C. para a expropriação subjacente pelo governo angolano. E depois em Miami, Flórida, por violação de um acordo celebrado em fevereiro de 2019 entre a AFGC e a República de Angola após uma reunião em que os representantes do governo angolano aceitavam a responsabilidade pelas suas atividades ilegais e concordaram em pagar AFGC USD 47.5m. A recusa subsequente de Angola em pagar o montante acordado à AFGC representa mais uma acção ilegal e uma violação da confiança do governo angolano.


O Tribunal de Washington negou provimento ao caso contra Angola no mês passado, só depois da própria AFGC ter desistido do caso em Washington, para que pudesse prosseguir com o seu caso contra a República de Angola no Tribunal Federal de Miami. Além disso, o Tribunal de Washington não emitiu qualquer parecer sobre os factos relativos à expropriação ilegal em curso dos activos da AFGC pelo governo angolano. Em vez disso, o Tribunal decidiu pela falta de jurisdição sobre Angola como Estado estrangeiro, de acordo com o juiz de Washington, não se enquadram nas exceções da Lei das Imunidades Soberanas estrangeiras dos EUA. As alegações da AFGC contra Angola estão a decorrer como pretendido no Tribunal Federal de Miami, onde a

AFGC espera que o Tribunal declare que tem jurisdição sobre Angola e, obrigue a República de Angola a pagar as verbas devidas à AFGC, valor acrescido de juros e custas.

Em nenhum lugar do recente artigo de Josefina de Jesus, que é preenchido com falsidades e obliquidades flagrantes em favor de certos funcionários do governo angolano, são estes factos apresentados. Em vez disso, eles são convenientemente ignorados com a finalidade de esfregar sal na ferida de uma empresa estrangeira que tentou fazer o bem por Angola e recebeu apenas golpes e danos contínuos por seus esforços.


Como as perdas da AFGC decorrentes das ações do governo angolano se aproximam de USD 100m, é lamentável que a AFGC tenha sido obrigada a reunir-se com membros Séniores da administração Trump e do Congresso dos EUA para discutir sanções contra Angola face à ausente compensação devida à AFGC que está em atraso.


É também altura, decorrido tanto tempo, de o povo angolano saber a história completa e verdadeira. A AFGC orgulha-se de se encontrar apoiada por factos comprovados através de provas escritas e provas recolhidas nos tribunais angolanos e dos EUA. Para os cidadãos angolanos que estão interessados em verem as provas escritas dos factos descritos acima e não conseguem aceder a bases de dados jurídicas dos EUA, a AFGC compromete-se a compilar estes documentos e disponibilizá-los num sítio público acessível a todos os Angolanos até 16 de setembro de 2019.


Não restando assim qualquer dúvida de que lado nesta disputa está a verdade, e da tentativa, em vão, em ajudar o povo angolano.

Assinatura

Scott Mortman
Membro Executivo
Africa Growth Corporation
Email: smortman@africagrowthcorp.com

Publicação da autoria de Fonte Externa:
https://www.clube-k.net
27/08/2019

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.