Novas fábricas listadas para as privatizações

De acordo com uma fonte do Jornal de Angola, entre as unidades a privatizar conta-se a Betonar-Zub (de estruturas de betão), Indupla (plásticos), Indupame (montagem de pavilhões metálicos), Indutubo (fábrica de tubos), Infer (ferragem) e Matelectric (materiais eléctricos).

Um lote de 23 unidades industriais da Zona Económica Especial Luanda-Bengo (ZEE) foi seleccionado pelo Instituto de Gestão de Activos e Participações do Estado (IGAPE) para ser alienado na segunda fase do processo de privatizações de empreendimentos em curso naquele pólo de produção, soube o Jornal de Angola de fonte ligada à instituição.

De acordo com a fonte, entre as unidades a privatizar conta-se a Betonar-Zub (de estruturas de betão), Indupla (plásticos), Indupame (montagem de pavilhões metálicos), Indutubo (fábrica de tubos), Infer (ferragem) e Matelectric (materiais eléctricos).

Figuram ainda a Ninhoflex (colchões), Telhafal (telhas metálicas), Vedatela (vedações), Indutive (tintas e vernizes), Funsucalco (fundição de sucatas de alumínio e cobre) e Mangotal (torres metálicas).

Licitaram as primeiras

Esse processo segue-se a um outro, estabelecido entre 28 de Fevereiro e 31 de Maio deste ano, quando o IGAPE colocou em privatização um lote de sete unidades industriais da ZEE, em que estavam incluídas a Univitro (indústria de transformação de vidro), Juntex (de argamassa), Carton (cartonagem), Absor (absorventes), Indugidet (produtos de higiene edetergente s ) , Cob erlen (cobertores) e Saciango (sacos de cimento).

Terminado o concurso, a Comissão de Negociação do IGAPE adjudicar a Cartoon, Indugidet, Juntex, Univitro e Coberlan aos concorrentes Angoalissar, Azoria, Ecoindustry e Zeepack, encerrando, assim, aquele que pode ser considerado o primeiro ensaio de um processo de transferência de activos do Estado para os privados de maneira transparente. Ficaram de fora as empresas Absor e Saciango.

Neste contexto, a unidade industrial Cartoon passa a ser detida pela Angoalissar e poderá ser vendida ao preço de mil milhões de kwanzas, Indugidet passa para a Azoria no valor de 3,3 mil milhões, Juntex fica com a Ecoindustry que pode pagar 1,1 mil milhões, assim como a Univitro e a Coberlan passam para a Zeepack, por um total de 850 milhões.

As unidades submetidas a privatização nestas duas fases fazem parte de um lote 52 que se encontram em diferentes estágios de desenvolvimento: 26 totalmente implantadas, 20 semi-acabadas (já com lote vedado, armazém e escritórios) e sete ainda em contentores.

Publicação da autoria de Fonte Externa:
Mercado
27/08/2019

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.