Categoria: Orçamento de Estado

Presidente vai gastar mais 16 milhões USD até final do ano

O Presidente da República pretende gastar mais 16 milhões USD em deslocações até ao final do ano, um aumento de 32% face ao valor previsto no Orçamento Geral do Estado revisto deste ano.

O adicional de 5,9 mil milhões Kz servirá para suportar a agenda nacional e internacional de João Lourenço. Este acréscimo significa que a Secretaria Geral do Presidente da República deverá gastar no total 24,4 mil milhões Kz em vez da verba inicialmente cabimentada de 18,4 mil milhões Kz.

Continue reading “Presidente vai gastar mais 16 milhões USD até final do ano”

Angola e FMI estão empenhados em manter dívida nos 90% do PIB – Governo

A secretária de Estado do Orçamento de Angola disse hoje que o Governo e o Fundo Monetário Internacional (FMI) estão empenhados em limitar o rácio da dívida pública face ao PIB no valor atual de 90%.

Em entrevista à agência de informação financeira à margem do Fórum Económico Mundial sobre África, que decorre esta semana na Cidade do Cabo, a governante angolana mostrou-se esperança que o Fundo aprove o desembolso da segunda tranche do Programa de Financiamento Ampliado de 3,7 mil milhões de dólares (cerca de 3,3 mil milhões de euros) e mostrou-se convergente na necessidade de limitar a subida da dívida pública.

Continue reading “Angola e FMI estão empenhados em manter dívida nos 90% do PIB – Governo”

João Lourenço elogia efeitos “positivos” do programa do FMI

A luta contra a corrupção e a lavagem de dinheiro, bem como a necessidade de Angola aumentar o investimento estrangeiro foram alguns dos “chavões” que o Presidente da República, João Lourenço, voltou a levar fora de portas, depois de esta semana ter abordado estas questões perante 4.500 participantes na Conferência Internacional de Tóquio sobre o Desenvolvimento de África (TICAD, na sigla em inglês).

Lourenço discursou cerca de três minutos, durante a II sessão plenária sobre o tema “Acelerar a transformação económica e melhorar o ambiente de negócios através da inovação e envolvimento do sector privado”, depois de os presidentes do Uganda (Yoweri Museveni), do Ruanda (Paul Kagame) e do Gana (Nana Akufo-Addo) já o terem feito. Esta sessão foi moderada pelo presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa.

Continue reading “João Lourenço elogia efeitos “positivos” do programa do FMI”

“FMI é prejudicial à economia angolana – economista Alves da Rocha”

O economista angolano Alves da Rocha disse em Luanda que o FMI e outras entidades internacionais são prejudiciais à economia angolana e que Angola precisa de um modelo económico próprio em vez de “copiar” o que vem de fora.

Em declarações à Lusa, à margem de um seminário sobre relações China-Angola, o economista e director do Centro de Estudos e Investigação Cientifica (CEIC) da Universidade Católica de Angola, salientou que o modelo do FMI não é o único a seguir e que se devem procurar alternativas.

Continue reading ““FMI é prejudicial à economia angolana – economista Alves da Rocha””

“O FMI e o Banco Mundial estão a empurrar-nos para o desastre e estamos a ir”

Economista e empresário Lago de Carvalho discordados moldes do acordo de Angola com o Fundo MonetárioInternacional (FMI) e Banco Mundial (BM), alegando que estas instituiçãoes apenas pretendem levar o País à recessão. E vê Angola sem um rumo definido.

Com a medida de o Executivo privatizar 195 empresas, podemos afirmar que. finalmente. Teremos uma economia liberal?

É difícil dizer, porque estamos a cumprir um programa imposto pelo FMI. Infelizmente, não estamos a ser capazes de, minimamente, dialogar de uma forma equilibrada. O FMI e o Banco Mundial estão a empurrar-nos para o desastre e nós estamos a ir.

Porquê?
Continue reading ““O FMI e o Banco Mundial estão a empurrar-nos para o desastre e estamos a ir””

Salários, juros e dívidas levam mais de 70% do dinheiro do OGE

As despesas com pessoal, incluindo salários de civis e militares, o pagamento de juros e os gastos em bens e serviços levam mais de 40% da despesa pública total, neste ano, segundo o Orçamento Geral do Estado 2019 Revisto (OGE 2019 Revisto). Se a estas rubricas juntarmos a despesa em amortização de dívida (quase 36% da despesa total), verificamos que pouco sobra para que o Estado aposte em estímulos à economia e investimento.

Vamos por partes. Classificando a despesa por OGE2019 Revisto por natureza (ver tabelas nesta pagina), há três tipos: despesa corrente (49,28% do total), despesa de capital (50,19%)e reservas (0,53%). Os salários estão incluídos na despesa corrente. Contas feitas, o Estado gasta em salários 16,32% do total da despesas, mas esta rubrica tem um peso de cerca de um terço da despesa corrente.

Continue reading “Salários, juros e dívidas levam mais de 70% do dinheiro do OGE”